Bicharada em Rio Grande

E hoje foi dia de saída por aqui. Acompanhado do Lívio Gallo, fomos atrás da bicharada na região. Nosso destino inicial era a Esec do TAIM, mas como estava marcando chuva, mudamos de plano e resolvemos ir até à Praia do Cassino e o resultado da saída foi extremamente positivo. Como o Lívio é "iniciante" no birdwatching, hoje o dia foi cheio de novidades pra ele, pois conseguimos registrar diversas espécies que até então, ele não havia registrado.
No caminho pra Praia do Cassino, registramos algumas espécies, entre elas o carão (Aramus guarauna), que estava repousando num arbusto.

carão (Aramus guarauna). Foto: Raphael Kurz
Seguimos nosso caminho em direção à praia, chegamos lá e demoramos pra começar a encontrar a bicharada, pois já havia um certo movimento de carros na orla. Fomos na direção sul, rumo ao Navio Altair, famoso navio encalhado na praia. Encontramos diversas espécies de trinta-réis por lá hoje. Algumas das aves registradas estão na foto abaixo.
Pela ordem: trinta-réis-grande (Phaetusa simplex), trinta-réis-de-bico-vermelho (Sterna hirundinacea) e trinta-réis-de-coroa-branca (Sterna trudeaui).


Além dos trinta-réis, registrei a gaivota-de-cabeça-cinza (Chroicocephalus cirrocephalus) que nem sempre vejo por lá, mas hoje tive sorte. Além dela, encontramos outra aves que são bem mais comuns, como o piru-piru (Haematopus palliatus), a garça-moura (Ardea cocoi) e o chimango (Milvago chimango).


Registramos vários indivíduos de gaivota-maria-velha (Chroicocephalus maculipennis) com plumagem reprodutiva e apenas um sem a plumagem, aproveitei pra registrar as duas porque nem sempre o pessoal sabe que se trata da mesma espécie, já que a ave fica com a cabeça bem escura quando está com a plumagem reprodutiva. Na foto abaixo fica fácil de diferenciar uma da outra.


Andamos cerca de 35km pela costa (70km ida e volta) e conseguimos registrar diversas espécies de aves, além disso, registrei uma perereca que ainda não consegui identificar, assim que eu souber a espécie, edito aqui.


Saímos da Praia logo que a chuva chegou e fomos tomando o caminho de volta. Entramos na estrada que dá acesso à Ilha de Torotama e lá, conseguimos registrar outras espécies que ainda não havíamos encontrado. Logo na chegada, fizemos um registro inusitado. Lado a lado estavam o chimango (Milvago chimango) e o carrapateiro (Milvago chimachima). Ambos são da família Falconidae e foi a primeira vez que encontro os dois juntos.

Pouco mais a frente, paramos o carro pra registrar um curutié (Certhiaxis cinnamomeus) que vocalizava incessantemente perto do carro, e pra nossa sorte, encontramos outras espécies por ali, no mesmo local. Destaque para o joão-pobre (Serpophaga nigricans) que deu um show pra nossas lentes, além deles, registramos o maçarico-real (Theristicus caerulescens) e a calhandra-de-três-rabos (Mimus triurus).


E finalizamos nossa expedição no Banhado do Capão Seco. Por lá registramos outras espécies que até então não tínhamos feito foto, como o gavião-caboclo (Heterospizias meridionalis), o suiriri-cavaleiro (Machetornis rixosa), um casal de marreca pé-vermelho (Amazonetta brasiliensis), a andorinha-do-campo (Progne tapera), o suiriri-pequeno (Satrapa icterophrys) e a linda coruja-buraqueira (Athene cunicularia).




Achei estranho encontrar as andorinhas-do-campo (Progne tapera) por aqui em pleno agosto, já que essas aves aparecem na nossa região apenas na primavera e ficam por aqui até abril, quando o frio começa a aparecer. Vi várias andorinhas-do-campo, mas apenas essa deu chance para o registro. Agora vou aguardar pra ver se outras migratórias começam a aparecer antes do previsto, vá que dessa vez a bicharada resolva vir mais cedo, nunca se sabe...
O resultado da saída foi muito positivo, avistamos quase 90 espécies diferentes no decorrer do dia e o Lívio fez mais de 20 lifers, nada mal pra apenas um dia de observação.
Gosto de dizer que nossa região é uma das melhores regiões do Brasil pra observação, visto que há muitas espécies restritas ao extremo sul do país e com grande abundância de indivíduos de determinadas espécies.
No mais era isso, depois de ficar quase 20 dias sem sair, hoje deu pra "lavar a alma" e matar a saudade da bicharada.
Lista das aves observadas durante todo o dia: http://www.taxeus.com.br/lista/10221.

Comentários

  1. Que Belo relato. Passarinhar com os amigos é uma beleza, mas podendo fazer em Família fica ainda mais legal. Que o teu sogro continue passarinhando muitos anos!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Pelos quatro cantos de Rio Grande

Explorando a colônia na zona sul

Surpresas no Banhado da Marambaia